Breaking

A chave do meu peito nas mãos da saudade.

Não que a dor me persiga tanto, mas me instiga a forçar o pranto, a verter dos olhos as águas já não tenho tanto. Não que eu não suporte, suportaria até mais, mas é que me incomoda este profundo corte que a solidão me faz. Meu peito desfia aos poucos e vai inflamando lentamente, uma dor que serra a alma, dor que só sabe quem sente. Não que a dor deva matar-me, não assim, mas torna-se companheira insuportável e se apossa de mim. É uma saudade infinita, algo sem tamanho, sem medida, maior que o próprio céu, eu acho, maior que a dor da despedida. Posso conviver com ela, eu sei, mas almejo não tê-la, porque se for para tê-la e não vê-la, é preferível não sabê-la existir. Mas meu pranto é miudinho, destes pequeninos gigantes, como se fosse um desalinho, de um alinhavo de amantes. Não que a dor seja tão profunda, tão cortante que me tire a própria vida, mas é dor dilacerante, a dor mais forte e mais sentida. Sei que esquecer da dor é perecer, não senti-la e definhar, por isso me ponho a escrever a dor que ainda virá. Dor de saudade é dor carinhosa, assim como se sente a furada de espinhos, na mão que segura a rosa, assim também sente-se o perfume que exala do amor, não dá para ter a flor, sem provar dos seus espinhos, bom seria se houvessem só carinhos, mas a vida é complicada. Não existe amor no mundo, que não sofra com saudade e se existir quem o sinta é por não sentir de verdade.

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

You Tube | Canal Fala, Sério! | Por Elaine Sério.

  Esta jovem carioca de sobrenome curioso não traz em sua imensa bagagem de atributos apenas a beleza física e a simpatia, mas a empreen...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.