Breaking

Internet | A Realidade Por Trás da Tela.

  Quando tive meu primeiro acesso á internet a rede social conhecida na época era o Orkut, uma plataforma semelhante a que temos hoje no Facebook e o mensageiro mais usado era o MSN. De lá para cá muito coisa mudou, mas algo permaneceu intacto: aqueles que acessam a rede mundial de computadores.  Por sua própria natureza,  a internet é um grande veiculador de imagens, onde cada um tem a liberdade de criar suas próprias ilusões. Nestes anos todos de acesso e com o olhar bem atento aos contatos que mantinha e o ambiente que os envolvia, pude assistir intimamente a realidade da vida multiplicar-se na tela do computador. 
  A chegada dos computadores e pouco depois dos demais dispositivos de acesso á rede trouxe consigo a oportunidade de revolução para uma grande maioria que sentia-se oprimida, deprimida e triste com a sua realidade, seus problemas cotidianos e esta chance de mostrar-se "ás escondidas" acabou revelando diversos perfis em redes sociais e mensageiros. A ilusão potencializada de possuir amigos ou até mesmo parceiros amorosos caiu para muitos como uma luva e estas pessoas viam e ainda veem seus contatos como se eles fossem psicólogos, melhores amigos, namorados e até mesmo amantes. Obviamente que este comportamento surgiu á partir das carências de cada um, da necessidade de afeto fraternal, paternal, conjugal e até mesmo sexual.  Por trás das telas há muita gente com deficit de atenção, carências ocultas e necessidades reais que são transportadas para o meio virtual.

 Destas minhas experiências reservei algumas para contar aqui a você, logicamente preservando nomes e locais pelo fato de que o objetivo aqui não é o de expor partes, mas o todo da questão.  

A NAMORADA

  Logo no início, após ter adquirido intimidade com as redes sociais,  conheci uma pessoa e logo descobrimos que tínhamos muita afinidade. Aos poucos fomos nos tornando mais íntimos e percebendo que gostávamos um do outro. Na época me perguntei se era possível duas pessoas se gostarem daquela forma, mas o fato é que realmente estávamos muito ligados.  Ela era Espanhola, natural de Valência e vivia no Brasil. Estávamos tão íntimos que sabíamos tudo da vida um do outro e foi em uma destas conversas que ela me disse que estava com problemas de saúde. Revelou que tinha medo de que eu não quisesse mais namorar com ela e por isso não havia revelado antes. Após saber que eu não desistiria dela, passamos a traçar planos para um casamento futuro. Algum tempo depois ela apresentou-me a sua filha com quem mantive diversas conversas sobre a saúde dela. Fui apresentado também ao seu médico e mais tarde ela me revelou que estava com câncer. Chorava muito e me dizia que se eu quisesse deixá-la poderia, pois não teria futuro. Disse-lhe que não iria abandoná-la de forma alguma e se antes não o havia feito, não seria agora que o faria. O médico dela informou que ela tinha pouco menos de seis meses de vida. Eu estive ao lado dela durante todo tempo e era severo na questão da sua medicação, pois em alguns momentos ela entrava em depressão e recusava ingerir os medicamentos. De acordo com sua filha e seu médico, somente eu era capaz de convencê-la a continuar com a medicação, por isso ligavam para mim sem importância de horário para pedir que dissesse a ela para tomar os remédios. Durante o período de 1 ano e meio lutei juntamente com ela, a filha e o médico para garantir a ela a vida, até que uma madrugada recebi a notícia de que ela estava internada em estado grave. Pela manhã veio a óbito.  O médico disse-me que milagrosamente ela teve uma sobrevida superior á esperada e partiu feliz, pedindo ao médico que ligasse para mim e me dissesse que ela me amava. Após isso fechou os olhos e faleceu.

O AMIGO

  Algum tempo mais tarde tive o prazer de conhecer um amigo e que me parecia ser uma excelente pessoa. Rapaz jovem, alegre, extrovertido e muito bem articulado. Gostava de brincar comigo e nas madrugadas chamava-me no MSN para conversarmos. Sempre me pedia conselhos, dizia que eu era um cara que ele admirava bastante e que era bem centrado, tinha bons conselhos. Falou-me certa vez que estava gostando de alguém que conhecera em um chat. Contou-me toda história enquanto eu só ouvia. Ao final perguntou-me o que ele deveria fazer. Dei-lhe alguns conselhos e disse-lhe para que fosse honesto, sincero com a moça. Ele prometeu-me que seria. Passou-se alguns dias e estranhei que ele não aparecia, então como tínhamos os contatos um do outro, resolvi ligar-lhe. Ele atendeu e logo começou a chorar dizendo que o mundo não prestava, que as pessoas eram falsas e que não valia nada valia a pena.... Senti que ele estava visivelmente deprimido, então perguntei-lhe se queria falar sobre a questão. Pedi-lhe que fosse ao MSN e ligasse a câmara para conversarmos. Ele fez isso e vi seu rosto inchado por muito chorar. Perguntei-lhe o que houve e ele me contou que a moça o havia enganado e que o abandonou. Fiquei sem saber o porque, afinal ele era um cara aparentemente tão legal, simpático e fluente, resolvi então perguntar qual a razão. Ele olhou sério para a câmara e e disse-me que havia coisas sobre ele que eu não sabia. Tomei um susto e pensei logo um monte de bobagens. Que seria afinal? Ele disse-me: Tony eu sou cadeirante e quando disse para ela, sua reação foi desligar a câmara e sumir. Dito isto ele mostrou-me que estava sentado em sua cadeira de rodas. Conversamos muito naquela noite e nem vimos a madrugada tornar-se manhã, mas o fato é que findamos com conosco dando muitas risadas e ele prontinho para uma vida nova, disposto a enfrentar de frente as suas limitações sem escondê-las do mundo.

O SUICIDA  

  Ainda nesta época uma amiga que conheci em uma comunidade chamou-me desesperada me pedindo ajuda pois um amigo seu estava decidido a suicidar-se. Deu-me o contato do rapaz, que obviamente não era meu amigo, assim adicionei e após ele aceitar, convidei-o ao MSN. Ele foi e então passei a trazê-lo para uma conversa que me permitisse tocar, de forma segura no assunto dos seus problemas. Á princípio ele mostrou-se agressivo, arredio, mas á medida que íamos conversando ele foi desarmando-se. Como sempre fazia, pedi-lhe que ligasse a câmara, ele relutou e disse-me que aquela conversa comigo era a última que estaria tendo em vida. Eu pedi então a ele que pelo menos ligasse a câmara para que pudéssemos nos ver e conversar. Ele atendeu. Estava sentado na cama, quarto revirado, espelho quebrado e no colo tinha um revólver.  Eu pedi a ele que tivesse calma, que conversasse comigo e depois ele poderia resolver o que faria. Senti um frio na espinha quando ele empunhou a arma e apontou-a para a própria cabeça com o dedo no gatilho. Fiquei em silêncio e chorei. Chorei porque senti que estava prestes a ver algo que nunca presenciei e que eu estava ali impossibilitado de fazer alguma coisa. Disse-lhe então: Estou me sentindo um inútil aqui. Ele perguntou-me porque. Respondi que eu havia encontrado um amigo muito especial e que iria perdê-lo sem ter chance alguma de fazer alguma coisa por ele. Ele olhou minha imagem na câmara e me viu chorando. Eu continuei dizendo que nem sequer sabia porque ele estava tentando matar-se. Ele baixou a arma, colocou ao lado e começou a falar dos seus problemas. Em um dado momento comecei a falar para ele dos meus problemas. E surpreendentemente ele disse: Que pena amigo, eu não posso te ajudar. Não consigo nem resolver os meus problemas e por isso estou aqui tentando a única solução. Então eu disse a ele que também já havia tentando o suicídio antes, só que sozinho, sem ninguém por perto. Ele disse: E quem tem impediu, o que o fez mudar de ideia? Eu respondi: Deus meu amigo. Não tenho outra explicação. No fundo eu descobri naquele momento que eu não queria morrer, mas sim viver e vencer meus problemas. Fui lutando e vencendo um-a-um com sacrifício e agora estou aqui.  Nossa conversa mudou totalmente de rumo após isso. Já conseguíamos conversar como amigos e daquele dia em diante não desgrudamos mais até que ele conseguiu andar com as próprias pernas e vencer. 

  Estes são apenas alguns dos fatos que vivi na rede mundial de computadores e por tanto presenciar fatos do tipo, aprendi a respeitar aqueles que estão por trás da tela. Sei que cada um possui seus problemas e busca apoio, amparo para ter um pouco de amizade, alegria, companheirismo, amor fraterno e respeito. Aprendi a ter muito cuidado com a fina linha que separa os humanos da sua fragilidade e a descobrir perfis onde as carências são maiores, assim é possível tornar a minha permanência na internet em algo útil e eficaz no auxílio a quem precisa.


Texto do Escritor e Autor Tony Casanova. Todos os Direitos Reservados e garantidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele, independente dos meios ou fins. A violação destes Direitos constitui-se crime e está passiva das punições legais cabíveis. 

Saiba mais do autor NESTE LINK

...............................................................................................................................



   
Internet | The Reality Behind the Screen.


  When I had my first access to the internet the social network known at the time was Orkut, a platform similar to what we have on Facebook today and the most used messenger was MSN. Since then much has changed, but something has remained intact: those who access the world wide web. By its very nature, the internet is a great vehicle of images, where each one has the freedom to create their own illusions. In these years all of access and with the attentive look at the contacts that maintained and the environment that surrounded them, I was able to watch closely the reality of life multiply in the screen of the computer.
  The arrival of the computers and shortly after the other devices of access to the network brought with it the opportunity of revolution for a great majority who felt oppressed, depressed and sad with their reality, their daily problems and this chance to show themselves "as Hidden "eventually revealed various profiles in social networks and messengers. The potent illusion of having friends or even loving partners fell to many as a glove and these people saw and still see their contacts as if they were psychologists, best friends, lovers and even lovers. Obviously this behavior arose from the needs of each one, from the need for brotherly, paternal, conjugal and even sexual affection. Behind the screens there are many people with attention deficit, hidden shortcomings and real needs that are transported to the virtual environment.

 Of these my experiences I have reserved a few to tell you here, logically preserving names and locations for the fact that the purpose here is not to expose parts, but the whole of the matter.

THE GIRLFRIEND

  Early on, after having acquired intimacy with social networks, I met one person and soon discovered that we had a lot of affinity. Gradually we became more intimate and realizing that we liked each other. At the time I wondered if it was possible for two people to like it that way, but the fact is that we really were very connected. She was Spanish, born in Valencia and lived in Brazil. We were so intimate that we knew everything about each other's life and it was in one of these conversations that she told me that she was having health problems. He revealed that I was afraid that I would not want to date her, so I had not revealed it before. After knowing that I would not give up on her, we began to draw up plans for a future marriage. Some time later she introduced me to her daughter with whom I had several conversations about her health. I was also introduced to her doctor and later she revealed to me that she had cancer. She cried a lot and told me that if I wanted to leave her I could, because there would be no future. I told him that I would not abandon her in any way, and if I had not done so before, I would not have done it now. Her doctor reported that she was just under six months old. I was with her all the time and was severe on the issue of her medication, because at times she went into depression and refused to take the medication. According to her daughter and her doctor, only I was able to persuade her to continue with the medication, so they called me unimportant to ask me to tell her to take the pills. During the period of one and a half years I fought along with her, the daughter and the doctor to guarantee her life, until one morning I received the news that she was hospitalized in serious condition. In the morning he died. The doctor told me that miraculously she had a higher than expected survival and left happy, asking the doctor to call me and tell me that she loved me. After that he closed his eyes and passed away.

THE FRIEND

  Some time later I had the pleasure of meeting a friend who seemed to be a great person. Young boy, cheerful, extroverted and very well articulated. He liked to play with me and in the early hours he would call me on MSN to talk. He always asked me for advice, he said that I was a guy he admired a lot and that he was well centered, he had good advice. He told me once that he was enjoying someone he had met in a chat. He told me the whole story while I was just listening. In the end he asked me what he should do. I gave him some advice and told him to be honest, honest with the girl. He promised me it would be. A few days passed and I was surprised that he did not show up, so we had the contacts of each other, I decided to call him. He answered and soon began to cry saying that the world was no good, that people were false and that it was worth nothing .... I felt that he was visibly depressed, so I asked him if he wanted to talk about the issue. I asked her to go to MSN and turn on the camera to talk. He did this and I saw his swollen face for much crying. I asked him what had happened and he told me that the girl had deceived him and that he had abandoned him. I was not sure why After all he was a guy so apparently cool, nice and fluent, I then decided to ask the reason. He looked serious at the camera and told me that there were things about him that I did not know. I was scared and thought a lot of nonsense. What would it be? He told me: Tony I'm a wheelchair user and when I told her, her reaction was to turn off the camera and disappear. That being said he showed me that he was sitting in his wheelchair. We talked a lot that night and did not even see the dawn become morning, but the fact is that we ended up with us laughing and he was ready for a new life, ready to face his limitations without hiding them from the world.

THE SUICIDE

  Even at this time a friend I met in a community called desperately asking me for help because a friend of hers was determined to commit suicide. He gave me the contact of the boy, who obviously was not my friend, so I added and after he accepted, I invited him to MSN. He went and then proceeded to bring him into a conversation that would allow me to play, safely on the subject of his problems. At first he showed himself aggressive, aloof, but as we talked, he disarmed himself. As he always did, I asked him to call the camera, he was reluctant and told me that this conversation with me was the last one he would have been alive. I then asked him to at least turn on the camera so we could see each other and talk. He answered. He was sitting on the bed, his bedroom rolled up, his mirror broken, and he had a revolver in his lap. I asked him to be calm, to talk to me and then he could figure out what he would do. I felt a cold spine as he took the gun and pointed it to his own head with his finger on the trigger. I was silent and I cried. I cried because I felt that I was about to see something that I had never witnessed and that I was unable to do anything there. I said to him: I am feeling useless here. He asked me why. I replied that I had found a very special friend and that I would lose him without any chance of doing anything for him. He looked at my image in the chamber and saw me crying. I kept saying that I did not even know why he was trying to kill himself. He lowered his gun, set it aside, and began to talk about his problems. At one point I started to tell him about my problems. And surprisingly he said: What a pity, my friend, I can not help you. I can not even solve my problems and so I'm here trying the only solution. Then I told him that I had tried suicide before, only alone, with no one around. He said: And who has prevented, what made him change his mind? I replied: God my friend. I have no other explanation. In the background I discovered at that moment that I did not want to die, but to live and overcome my problems. I've been fighting and winning one-on-one with sacrifice and now I'm here. Our conversation totally changed course after this. We could already talk as friends and from that day on we did not leave until we could walk on our own and win.

  These are just a few of the facts that I have experienced on the world wide web and therefore witnessing facts of the sort, I have learned to respect those behind the screen. I know that each one has his problems and seeks support, support to have a little friendship, joy, companionship, brotherly love and respect. I have learned to be very careful with the thin line that separates humans from their fragility and to discover profiles where the needs are greatest, so it is possible to make my stay on the internet useful and effective in helping those who need it.

Writer Text and Author Tony Casanova. All Rights Reserved and guaranteed by the National and International Laws for the Protection of Intellectual Property Rights. No part of it may be copied, collated, reproduced or disseminated, regardless of its means or purpose. The violation of these Rights constitutes a crime and is passive of the applicable legal punishments.

Learn more about the author IN THIS LINK

...............................................................................................................................................

   Internet | La realidad detrás de la pantalla.

  Cuando tuve mi primer acceso a la red social de Internet conocido en ese momento era Orkut, una plataforma similar que tenemos hoy en Facebook y el mensajero más utilizado fue MSN. Desde entonces ha cambiado mucho, pero algo permanece intacto: los que acceden a la World Wide Web. Por su propia naturaleza, la Internet es un gran difusor de imágenes, donde cada uno tiene la libertad para crear sus propias ilusiones. Durante todos estos años de acceso y mirar bien consciente de contactos que mantuvo y el medio ambiente que les rodea, podría ver de cerca la realidad de la vida se multiplican en la pantalla del ordenador.
  La llegada de los ordenadores y poco después de la otra red tendrán acceso a dispositivos trajo la revolución de oportunidades para una gran mayoría que se sentían oprimidos, deprimido y triste por su realidad, sus problemas cotidianos y esta oportunidad de mostrar "Ace oculto "terminó revelando varios perfiles en redes sociales y mensajeros. La ilusión mejorada de tener amigos o incluso parejas sentimentales cayó a muchos como un guante y esta gente vio y todavía ver sus contactos como si fueran psicólogos, mejores amigos, novios e incluso amantes. Obviamente este comportamiento surgió de las necesidades de cada uno, la necesidad de afecto fraternal, paternal, conyugal e incluso sexual. Detrás de las pantallas que hay muchas personas con déficit de atención, las necesidades ocultas y necesidades reales que son transportados al entorno virtual.

 Estos mis experiencias yo reservamos algunos aquí para decirle que, por supuesto, la preservación de los nombres y ubicaciones por el hecho de que el objetivo aquí no es para exponer partes, pero el conjunto de la materia.

LA NOVIA

  Al principio, después de adquirir intimidad con las redes sociales, me encontré con una persona y pronto descubrimos que teníamos mucha afinidad. Poco a poco nos estamos volviendo más y darse cuenta de que nos gustábamos. En el momento me preguntaba si era posible que dos personas que gusta de esa manera, pero el hecho es que estábamos muy apegados. Ella era español, natural de Valencia y vivió en Brasil. Estábamos tan cerca que sabíamos todo sobre la vida de los demás y fue en una de estas conversaciones me dijo que estaba mal de salud. Él reveló que tenía miedo de que no quería salir con ella y así no se había revelado antes. Después de saber que yo no renunciar a ella, empezamos a hacer planes para un futuro matrimonio. Algún tiempo después me presentó a su hija con quien tuve varias conversaciones acerca de su salud. También me presentó a su doctor y después me dijeron que tenía cáncer. Lloré mucho y me dijo que si quería salir de lo posible, no tendría ningún futuro. Yo le dije que no iba a dejarlo en modo alguno antes y no lo había hecho, ahora ¿no lo haría. Su médico dijo que tenía poco menos de seis meses. Yo estaba a su lado todo el tiempo y era severa sobre la cuestión de la medicación porque a veces ella entró en depresión y se negó a ingerir el fármaco. De acuerdo con su hija y su médico, solamente pude convencerla de continuar con la medicación, por lo que me vinculé horas sin importancia para pedirle que decirle a tomar la medicina. Durante el periodo de 1 año y medio he luchado junto con su hija y médico para asegurarse de su vida hasta que una mañana recibí la noticia de que fue hospitalizada en estado grave. Por la mañana llegó a la muerte. El médico me dijo que tenía milagrosamente se espera una mayor supervivencia y volvió a ser feliz, pidiendo al médico ligarse a mí y me dijo que me amaba. Después cerró los ojos y murió.

AMIGO

  Algún tiempo después, tuve el placer de conocer a un amigo y que parecía ser una gran persona. Muchacho joven, alegre, extrovertida y muy bien articulada. Me gustaba jugar conmigo y al amanecer me llamaron en MSN para hablar. Siempre me pidió consejo, dijo que yo era un tipo que admiraba mucho y que estaba bien centrado, tenía un buen consejo. Una vez me dijo que le gustaba alguien que había conocido en un chat. Él me contó toda la historia a medida que acabo de oír. Al final me preguntó lo que debía hacer. Le di algunos consejos y le dije que ser honesto, sincero con la chica. Me prometió que sería. Pasamos unos días y que es extraño que él no apareció, así que ya que teníamos los contactos entre sí, decidimos llamarlo. Conoció y pronto comenzó a llorar diciendo que el mundo no era bueno, vale la pena que la gente era falsa y sin valor .... me sentí que estaba visiblemente deprimido, entonces yo le pregunté si quería hablar sobre el tema. Le pedí que ir a MSN y llamar a la cámara para hablar. Lo hizo y vio su cara hinchada durante un largo grito. Le pregunté qué había pasado y me dijo que la niña había engañado y abandonado. Yo no sé por qué, se adelgaza después de todo él era un hombre aparentemente tan agradable, amable y fluidez, por lo que decidió preguntar cuál es la razón. Se veía seriamente en la cámara y el y me dijo que había cosas sobre él que yo no conocía. Me asusté y luego pensé un montón de tonterías. Sería de todos modos? Me dijo: Yo soy, Tony silla de ruedas y cuando él le dijo, su reacción fue apague la cámara y desaparecer. Habiendo dicho esto, me mostró que estaba sentado en su silla de ruedas. Hemos hablado mucho esa noche y no vimos el amanecer convertido en la mañana, pero el hecho es que findamos con darnos un montón de risas y todo listo para una nueva vida, dispuestos a enfrentar frente a sus limitaciones, sin ocultarlos del mundo.

EL SUICIDIO

  Sin embargo, esta vez un amigo que conocí en una comunidad me llamó pidiéndome ayuda desesperada de un amigo suyo estaba decidido a suicidarse. Él me dio el contacto del niño, que, evidentemente, no era mi amigo, así que añadí y después de que él acepta, le invitó a MSN. Fue entonces cuando empecé a llevarlo a una conversación que me permitiera jugar, de forma segura sobre el tema de sus problemas. Para el primero que demostró ser agresivo, poco sociable, pero como estábamos hablando que se desarma a sí mismo. Como de costumbre, le pedí que llamar a la cámara, se resistía y me dijo que esa conversación conmigo fue el último en ser tener en la vida. Le pregunté entonces por lo menos llamar a la cámara para que pudiéramos ver y hablar. Él respondió. Se sentó en la cama, dormitorio papelera, espejo roto y vuelta tenían un arma de fuego. Le pidió tener calma, hablar conmigo y entonces él podía decidir qué hacer. Sentí un escalofrío por la espalda cuando él sacó su pistola y apuntó a su cabeza con su dedo en el gatillo. Me quedé en silencio y llorando. Lloré porque sentí que estaba a punto de ver algo que nunca presenciado y yo estaba allí incapaz de hacer nada. a continuación, le dijo, me siento inútil aquí. Me preguntó por qué. Le contesté que había encontrado un amigo muy especial y lo perdería sin tener ninguna oportunidad de hacer algo por él. Miró a mi imagen en la cámara y me vio llorando. Me decía que ni siquiera sabía por qué estaba tratando de suicidarse. Él bajó la pistola, la puso en un lado y empezó a hablar de sus problemas. En un momento empecé a hablarle de mis problemas. Y, sorprendentemente, dijo: ¿Qué amigo lo siento, no puedo ayudarle. Ni siquiera puedo resolver mis problemas y así que aquí estoy tratando la única solución. Así que le dije que también había intentado suicidarse antes, sólo por sí solo, sin nadie alrededor. El dijo: ¿Y quién se ha detenido, lo que le hizo cambiar de opinión? Dije: Dios, mi amigo. No tengo ninguna otra explicación. En la parte inferior que encontré en ese momento yo no quiero morir, sino para vivir y superar mis problemas. Estaba luchando y ganando uno-a-uno con sacrificio y ahora estoy aquí. Nuestra conversación ha cambiado totalmente claro después de eso. Ya podríamos hablar como amigos, y desde ese día no hay más desgrudamos hasta que fue capaz de caminar por su propio pie y ganar.

  Estos son sólo algunos de los hechos que vivían en la World Wide Web y por lo tanto son testigos de hechos de tipo, aprendieron a respetar a los que están detrás de la pantalla. Yo sé que cada uno tiene sus problemas y la búsqueda de apoyo, el apoyo para tener un poco de amistad, alegría, el compañerismo, el amor fraterno y el respeto. Aprendí a ser muy cuidadoso con la delgada línea que separa a los humanos de su fragilidad y descubre los perfiles donde las necesidades son mayores, por lo que es posible para que mi estancia Internet en algo útil y eficaz para ayudar a los necesitados.

Escritor de texto y el autor, Tony Casanova. Todos los derechos reservados y garantizados por leyes nacionales y Protección Internacional de los Derechos de Propiedad Intelectual. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo, de todos o parte de ella, independientemente de los medios o extremos. La violación de estos derechos constituye un delito y es pasiva de las sanciones legales aplicables.

Más información este autor ENLACE

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

You Tube | Canal Fala, Sério! | Por Elaine Sério.

  Esta jovem carioca de sobrenome curioso não traz em sua imensa bagagem de atributos apenas a beleza física e a simpatia, mas a empreen...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.