Breaking

Conto | Memórias | Sonhos de Um Infante.

  Buscando velhas memórias da minha infância me surpreendo como os tempos mudaram e com ele as pessoas. Quando crianças, como todo menino eu tinha sonhos, mas não os sonhos de um adulto ou mesmo uma criança de hoje. Eram sonhos apropriados de uma criança dos anos 70 e 80. Época em que crianças agiam como crianças, pensavam e falavam, também sonhavam como crianças. Havia um mundo próprio dos infantes que não sofria a forte influência do mundo adulto e das mídias perniciosas. Tudo era bem menos expostos e os respingos eram menores. Lembro-me do meu primeiro amor, eu que tão jovem, imaturo e inexperiente dizia-me apaixonado pela Aninha, uma linda menina que estudava na mesma classe que eu. Obviamente nunca fui bonito, mas me destacava pelo esforço nos estudos e habilidade e desempenho nas provas, o que me garantia uma certa vantagem quanto ás outras crianças. Não foi difícil aproximar-me da moça e depois cortejá-la. Lembro-me de que ela me convidou a conduzi-la até em casa, o que era considerado praticamente um namoro quando a moça permitia que o rapaz a acompanhasse.
  Nervoso e ansioso ao mesmo tempo, fui acompanhando a Aninha enquanto conversávamos sobre assuntos aleatórios. Era mantida uma distância entre nós, mesmo porque qualquer aproximação da moça me deixava muito nervoso. Em todas as ações havia a sombra do respeito, da responsabilidade que sufocava o desejo de abraçar e beijar. É óbvio que havia o desejo de ambos, mas era um sentimento contido, controlado. Seguimos assim por grande parte do caminho até que nossas mãos esbarraram e num gesto que podia ser considerado de extrema ousadia, eu segurei a mão dela. Não posso descrever a sensação daquele toque em suas mãos. Comecei a suar, ficar trêmulo, a respiração ofegava e eu não conseguia olhar no rosto dela. Aliás, nenhum de nós conseguia se olhar. Era como se aquele toque revelasse algo em nós que tentávamos esconder.
  De mãos dadas prosseguimos com a certeza de que aquele enlace de mãos representava o selo do namoro e marcava um compromisso entre nós. Chegamos enfim á porta do prédio onde ela morava. Como ainda estava cedo ou pelo menos nós pensávamos que estivesse, resolvemos conversar um pouco. Na verdade naquela época o conversar era "namorar", onde eram evitados os toques físicos que poderiam levar a algo desejado, mas completamente proibido para os padrões. Nos despedimos após resistir á vontade de selar o primeiro beijo, onde o máximo da noite foi um beijo na testa, beijo este que nos deixou ainda mais nervosos.
  No dia seguinte mais uma vez fui levá-la em casa e já não houve a mesma sensação ao pegar em sua mão. Não havia mais vergonha ou inibição. O gesto veio de forma natural. Apesar de sermos jovens e de todo desejo que sentíamos, nós sabíamos que se rompêssemos  as barreiras que nos limitavam no namoro, haveriam consequências para as quais não estávamos preparados.  Este era o grande diferencial da época em relação ás crianças. Tínhamos acesso ás informações sim, mas não com distorções, pois não havia mídias acessíveis para nos corromper, mas a presença constante de pais e responsáveis que nos auxiliavam na nossa disciplina. Eram crianças melhores que as de hoje? Não! Eram apenas crianças, assim como todas as crianças de hoje. O que mudou foram os adultos, a forma como educam e disciplinam as crianças de hoje.
  O primeiro beijo que eu e a Aninha trocamos não se pareceu em nada com os beijos trocados por crianças de hoje. Não havia malícia ou conotação sexual, mas muito nervosismo e sudação por conta da ousadia considerada no gesto. Nos abraçamos e foi difícil esconder a excitação, aliás não foi difícil, mas impossível. Então você me pergunta: Qual a diferença, se hoje as crianças sentem o mesmo? Eu vou te responder que a diferença não está contida no desejo, este que é próprio do ser humano, é natural, mas a grande diferença é que eu e a Aninha ficamos por ali. Não houve avanço porque sabíamos das consequências e não era este o objetivo. A chave da questão não está em impedir o desejo que se sente, mas em impedir que ele avance e traga prejuízos para ambos. Nisto eu poderia dizer que naquele momento nós dois, enquanto crianças, estávamos sendo mais adultos que muitos adultos dos tempos atuais.

A presente obra, bem como todos os textos contidos nesta web página encontram-se protegidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Direitos de Propriedade Intelectual, sendo proibidas as cópias, colagens, reprodução, divulgação ou uso dos conteúdos apresentados neste blog, independente dos meios ou finalidades, sem a autorização expressa do autor Tony Casanova, a quem cabe, única e exclusivamente os Direitos sobre o material apresentado. A violação destes Direitos se constitui crime previsto na Legislação e será punida com os rigores legais.

Para saber mais sobre Tony Casanova e aquisição de suas publicações, acesse ESTE LINK
......................................................................................................................................................
  
 Tale | Memory | Dreams of an Infant.

 Seeking old memories of my childhood surprised me how times have changed and with it people. As children, like every boy I had dreams, but not the dreams of an adult or even a child of today. They were appropriate dreams of a child of the 70s and 80s. At a time when children acted like children, they thought and talked, they also dreamed like children. There was a world of infants that did not suffer the strong influence of the adult world and pernicious media. Everything was far less exposed and the spills were smaller. I remember my first love, I, who was so young, immature and inexperienced, told me that I was in love with Aninha, a beautiful girl who studied in the same class as me. Obviously I was never handsome, but I stood out for the effort in studies and ability and performance in the tests, which gave me a certain advantage over other children. It was not difficult to approach the girl and then court her. I remember she invited me to drive her home, which was considered almost a date when the girl allowed the boy to accompany her.
  Nervous and anxious at the same time, I went along with Aninha as we talked about random matters. There was a distance between us, even though any approach of the girl made me very nervous. In all actions there was the shadow of respect, the responsibility that choked the desire to embrace and kiss. Obviously there was the desire of both, but it was a contained, controlled feeling. We followed for much of the way until our hands bumped and in a gesture that could be considered of extreme daring, I took her hand. I can not describe the feel of that touch in his hands. I started to sweat, I trembled, my breath gasped and I could not look into her face. In fact, none of us could look at each other. It was as if that touch revealed something in us that we tried to hide.
  Hand in hand, we proceeded with the certainty that this bond of hands represented the seal of the courtship and marked a compromise between us. We finally arrived at the door of the building where she lived. Since it was still early or at least we thought it was, we decided to talk a little. In fact at that time the talk was "dating", where the physical touches that would lead to something desired, but completely forbidden by standards, were avoided. We said goodbye after resisting the urge to seal the first kiss, where the maximum of the night was a kiss on the forehead, a kiss that made us even more nervous.
  The next day one more time I took her home and there was no longer the same sensation when I took her hand. There was no more shame or inhibition. The gesture came naturally. Although we were young and with every desire we felt, we knew that if we broke the barriers that limited us in dating, there would be consequences for which we were not prepared. This was the great differential of the time in relation to children. We had access to information, yes, but not with distortions, because there were no accessible means to corrupt us, but the constant presence of parents and guardians who helped us in our discipline. Were children better than today? No! They were just kids, just like all kids today. What has changed are the adults, the way they educate and discipline the children of today.
  The first kiss that Aninha and I exchanged looked nothing like the kisses exchanged by children today. There was no malice or sexual connotation, but much nervousness and sweating because of the boldness considered in the gesture. We hugged each other and it was difficult to hide the excitement, but it was not difficult, but impossible. So you ask me: What's the difference, if today the children feel the same? I'm going to tell you that difference is not contained in desire, that which is proper to the human being, is natural, but the great difference is that Aninha and I stay there. There was no progress because we knew the consequences and this was not the goal. The key to the issue is not to stop the urge you feel but to prevent it from moving forward and bringing harm to both. In this I could say that at that moment both of us, as children, were being more adults than many adults of the present times.

The present work, as well as all the texts contained in this web page, are protected by the National and International Laws of Intellectual Property Rights, being prohibited copies, collages, reproduction, dissemination or use of the contents presented in this blog, regardless of media or without the express authorization of the author Tony Casanova, who is solely and exclusively responsible for the material presented. The violation of these Rights constitutes a crime provided for in the Legislation and will be punished with the legal rigors.

To know more about Tony Casanova and the acquisition of his publications, visit THIS LINK
.................................................. .....................................................................

  Cuento | Memorias | Sueños de un Infante.

 Buscando viejos recuerdos de mi infancia me sorprendo cómo los tiempos cambiaron y con él las personas. Cuando niños, como cada niño tenía sueños, pero no los sueños de un adulto o aún un niño de hoy. Eran sueños apropiados de un niño de los años 70 y 80. Época en que niños actuaban como niños, pensaban y hablaban, también soñaban como niños. Había un mundo propio de los infantes que no sufría la fuerte influencia del mundo adulto y de los medios perniciosos. Todo estaba mucho menos expuesto y las salpicaduras eran más pequeñas. Recuerdo mi primer amor, yo que tan joven, inmaduro e inexperto me decía enamorado de la Aninha, una hermosa niña que estudiaba en la misma clase que yo. Obviamente nunca fui bonito, pero me destacaba por el esfuerzo en los estudios y habilidad y desempeño en las pruebas, lo que me garantizaba una cierta ventaja en cuanto a los otros niños. No fue difícil acercarme a la muchacha y luego cortarla. Recuerdo que ella me invitó a conducirla hasta en casa, lo que se consideraba prácticamente un noviazgo cuando la muchacha le permitía que el muchacho la acompañara.
  Nervoso y ansioso al mismo tiempo, fui acompañando a la Aninha mientras conversábamos sobre temas aleatorios. Se mantenía una distancia entre nosotros, incluso porque cualquier acercamiento de la muchacha me dejaba muy nervioso. En todas las acciones había la sombra del respeto, de la responsabilidad que sofocaba el deseo de abrazar y besar. Es obvio que había el deseo de ambos, pero era un sentimiento contenido, controlado. Seguimos así por gran parte del camino hasta que nuestras manos chocaron y en un gesto que podía ser considerado de extrema osadía, yo sostenía su mano. No puedo describir la sensación de ese toque en sus manos. Comencé a sudar, quedarse trémulo, la respiración se agitaba y yo no podía mirar en su rostro. Por cierto, ninguno de nosotros podía mirar. Era como si aquel toque revelara algo en nosotros que intentábamos ocultar.
  De las manos dadas seguimos con la certeza de que aquel enlace de manos representaba el sello del noviazgo y marcaba un compromiso entre nosotros. Llegamos a la puerta del edificio donde vivía. Como todavía estaba temprano o al menos pensábamos que estuviera, resolvemos conversar un poco. En realidad, en aquella época el conversar era "enamorarse", donde se evitaban los toques físicos que podrían llevar a algo deseado, pero completamente prohibido para los patrones. Nos despedimos después de resistir la voluntad de sellar el primer beso, donde el máximo de la noche fue un beso en la frente, beso este que nos dejó aún más nerviosos.
  Al día siguiente una vez más fui a llevarla en casa y ya no hubo la misma sensación al tomar en su mano. No había más vergüenza o inhibición. El gesto vino de forma natural. A pesar de ser jóvenes y de todo deseo que sentíamos, nosotros sabíamos que si rompíamos las barreras que nos limitaban en el noviazgo, habría consecuencias para las que no estábamos preparados. Este era el gran diferencial de la época en relación a los niños. En el caso de que se produzca un cambio en la calidad de la información, se debe tener en cuenta que, ¿Eran niños mejores que los de hoy? ¡No! Eran sólo niños, así como todos los niños de hoy. Lo que cambió fueron los adultos, la forma en que educan y disciplinan a los niños de hoy.
  El primer beso que yo y la Aninha cambiamos no se pareció en nada con los besos intercambiados por niños de hoy. No había malicia o connotación sexual, sino mucho nerviosismo y sudoración por la osadía considerada en el gesto. Nos abrazamos y fue difícil ocultar la excitación, por lo demás no fue difícil, pero imposible. Entonces usted me pregunta: ¿Cuál es la diferencia, si hoy los niños sienten lo mismo? Yo te voy a responder que la diferencia no está contenida en el deseo, éste que es propio del ser humano, es natural, pero la gran diferencia es que yo y la Aninha quedamos por allí. No hubo avance porque sabíamos de las consecuencias y no era éste el objetivo. La clave de la cuestión no está en impedir el deseo que se siente, sino en impedir que él avance y traiga perjuicios para ambos. En esto podría decir que en ese momento los dos, mientras que los niños, estábamos siendo más adultos que muchos adultos de los tiempos actuales.

La presente obra, así como todos los textos contenidos en esta página web, se encuentran protegidos por las Leyes Nacionales e Internacionales de Derechos de Propiedad Intelectual, siendo prohibidas las copias, collages, reproducción, divulgación o uso de los contenidos presentados en este blog, independiente de los medios o sin la autorización expresa del autor Tony Casanova, a quien corresponde, única y exclusivamente los Derechos sobre el material presentado. La violación de estos Derechos se constituye crimen previsto en la Legislación y será sancionada con los rigores legales.

Para saber más sobre Tony Casanova y la adquisición de sus publicaciones, visite ESTE LINK

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

Crônica | Como Assim Brasil?

  Viver no Brasil é fácil,  o País é lindo, povo alegre apesar dos motivos para tristeza, muitas praias, sol, enfim é o lugar, mas difí...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.