Negócios | A Crise e As Black Fridays.

   Estamos em época difíceis, momentos delicados da economia em que muitos comércios fecham as portas por não suportarem a agressividade do mercado. Em períodos assim a estratégia é tudo e pode salvar seu negócio desde que aplicada corretamente.  O comércio brasileiro ainda é carente de ousadia comercial e o que se vê são repetições de fórmulas que deram certo em outros Países, só que adaptadas ao famoso jeitinho brasileiro, como é o caso das Black Fridays, que por aqui em promoção só tem mesmo o nome. Os preços continuam sendo anunciados como "baixos", mas em nada foram alterados, ou seja a propaganda enganosa. O consumidor que não é nada bobo está atento a estas estratégias suicidas de mercado e reage á sua maneira. 
  Gostaria que você entendesse que não estou aqui tentando ensinar padre nosso a vigário e muito menos intrometer-me na sua vida comercial, mas neste universo de compra e venda, propagar enganosamente é cometer o suicídio.  Quando um segmento divulga preços que o consumidor sabe que não estão baixos, esta atitude é no mínimo acintosa para com ele.  Nada contra aquele que não respeita o próprio, a empresa que possui, mas desrespeitar o consumidor é avançar de encontro á peça mais importante que sua empresa possui. O consumidor não é teu, não é do concorrente, o consumidor é livre e sempre será. Você pode enganá-lo hoje, amanhã, depois quem sabe, mas um dia ele acorda e vai reagir.  E não foi atoa que muitos empresários quebraram e quem agir desta forma um dia quebrará também.


  Em tempos de crise o consumidor não quer enrolação, ele quer preço de verdade.  Ele precisa olhar o teu produto e surpreso sair correndo para comprar.  Mas ele só fará isso se você realmente baixar preços. E outra coisa, nem precisa gastar milhões com propaganda em grandes emissoras, mesmo porque o consumidor sabe que esta despesa é ele quem paga. Tecnicamente é impossível que uma empresa invista tanto em comerciais caríssimos em horário nobre e ainda consiga cobrir custos e dar descontos.  Para aqueles que realmente possuem a intenção de vencer a crise e conseguir fechar bons negócios a saída é promover com preços baixos de verdade. 

  É possível promover sem prejuízos? Claro que sim e foi isto que fizeram os idealizadores da campanha Black Friday e vários segmentos no mundo, após aderirem conseguirão fechar bons negócios, mas infelizmente a realidade brasileira é outra e o velho hábito de passar a perna no consumidor prevalece. Enquanto isto não for mudado a tendência é vender hoje e quebrar amanhã quando o consumidor acordar.  Os tempos do camelôs já passaram e hoje o empresário moderno tem que se adaptar ás tendências do Terceiro Milênio ou ficará para trás tendo que berrar á porta das lojas ou fazer campanhas de marketing agressivo que no final resultarão em dinheiro pelo ralo. E se você vai perguntar se sou publicitário, empresário do comércio ou economista, digo que não, sou apenas um ex-profissional de vendas que se tornou escritor e blogueiro, muito prazer.

Esta obra, bem como todos os textos contidos nesta web página encontram-se protegidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Direitos de Propriedade Intelectual, sendo proibidas as cópias, colagens, reprodução, divulgação ou uso dos conteúdos apresentados neste blog, independente dos meios ou finalidades, sem a autorização expressa do autor Tony Casanova, a quem cabe, única e exclusivamente os Direitos sobre o material apresentado. A violação destes Direitos se constitui crime previsto na Legislação e será punida com os rigores legais.

Para saber mais sobre Tony Casanova e aquisição de suas publicações, acesse ESTE LINK
..............................................................................................................................

 Business | The Crisis and The Black Fridays.

  We are in difficult times, delicate moments of the economy in which many trades close the doors for not supporting the aggressiveness of the market. In periods so strategy is everything and can save your business since applied correctly. The Brazilian trade is still lacking in commercial daring and what you see are repetitions of formulas that worked in other countries, but adapted to the famous Brazilian way, as is the case of the Black Fridays, which in this promotion only has the same name. Prices continue to be advertised as "low," but nothing has changed, that is, misleading advertising. The non-silly consumer is aware of these suicidal market strategies and reacts in his own way.

  I would like you to understand that I am not here trying to teach our priest to vicar let alone meddle in his commercial life, but in this universe of buying and selling, to propagate deceptively is to commit suicide. When a segment discloses prices that the consumer knows they are not low on, this attitude is at least acintosa towards it. Nothing against the one who does not respect his own, the company he owns, but to disrespect the consumer is to advance against the most important piece that his company owns. The consumer is not yours, not the competitor, the consumer is free and always will be. You can fool him today, tomorrow, then who knows, but one day he wakes up and will react. And it was not a fact that many businessmen broke and who to act this way will one day break as well.

  In times of crisis the consumer does not want coaxing, he wants truth price. He needs to look at your product and be surprised to rush out to buy it. But it will only do this if you actually lower prices. And another thing, you do not have to spend millions on advertising on major broadcasters, even though the consumer knows that this expense is the one who pays. Technically, it is impossible for a company to invest in expensive prime time commercials and still be able to cover costs and give discounts. For those who really intend to overcome the crisis and manage to close good deals the exit is to promote with real low prices.

  Is it possible to promote without loss? Of course, and this is what the Black Friday campaigners and various segments of the world have done, after joining it, they will be able to close good deals, but unfortunately the Brazilian reality is different and the old habit of kicking the consumer prevails. As long as this is not changed the trend is to sell today and break tomorrow when the consumer wakes up. The days of street vendors have passed and today the modern businessman has to adapt to the trends of the Third Millennium or will be behind having to shout at the door of the stores or make campaigns of aggressive marketing that in the end will result in money down the drain. And if you're going to ask if I'm an advertising man, a commercial entrepreneur, or an economist, I say no, I'm just a former sales professional who became a writer and blogger, very pleased.

This work, as well as all the texts contained in this web page, are protected by the National and International Laws of Intellectual Property Rights, being prohibited copies, collages, reproduction, dissemination or use of the contents presented in this blog, regardless of the means or purposes , without the express authorization of the author Tony Casanova, who is solely and exclusively entitled to the material presented. The violation of these Rights constitutes a crime provided for in the Legislation and will be punished with the legal rigors.

To know more about Tony Casanova and the acquisition of his publications, visit THIS LINK
.............................................................................................................................

 Negocios | La Crisis y las Black Fridays.

  Estamos en tiempos difíciles, momentos delicados de la economía en que muchos comercios cierran las puertas por no soportar la agresividad del mercado. En períodos así la estrategia es todo y puede salvar su negocio desde que se aplica correctamente. El comercio brasileño todavía es carente de osadía comercial y lo que se ve son repeticiones de fórmulas que han dado cierto en otros países, sólo que adaptadas al famoso estilo brasileño, como es el caso de las Black Fridays, que por aquí en promoción sólo tiene el mismo, nombre. Los precios siguen siendo anunciados como "bajos", pero en nada han cambiado, o sea la propaganda engañosa. El consumidor que no es nada tonto está atento a estas estrategias suicidas de mercado y reacciona a su manera.

  Me gustaría que usted entendiera que no estoy aquí tratando de enseñar a sacerdote nuestro a vicario y mucho menos entrometerme en su vida comercial, pero en este universo de compra y venta, propagar engañosamente es cometer el suicidio. Cuando un segmento divulga precios que el consumidor sabe que no son bajos, esta actitud es al menos acentuada hacia él. Nada contra aquel que no respeta el propio, la empresa que posee, pero no respetar al consumidor es avanzar de acuerdo a la pieza más importante que su empresa posee. El consumidor no es tuyo, no es del competidor, el consumidor es libre y siempre será. Usted puede engañarlo hoy, mañana, después quién sabe, pero un día él despierta y va a reaccionar. Y no fue acto que muchos empresarios rompieron y quien actuara de esta forma un día romperá también.

  En tiempos de crisis el consumidor no quiere bobina, él quiere precio de verdad. Él necesita mirar su producto y sorprendido salir corriendo para comprar. Pero sólo lo hará si realmente bajar precios. Y otra cosa, ni necesita gastar millones con propaganda en grandes emisoras, incluso porque el consumidor sabe que este gasto es él quien paga. Tecnicamente es imposible que una empresa invierta tanto en comerciales carísimos en horario noble y aún consiga cubrir costos y dar descuentos. Para aquellos que realmente poseen la intención de vencer la crisis y conseguir cerrar buenos negocios la salida es promover con precios bajos de verdad.

  ¿Es posible promover sin perjuicio? Por supuesto que sí y eso es lo que hicieron los idealizadores de la campaña Black Friday y varios segmentos en el mundo, después de adherirse conseguirán cerrar buenos negocios, pero desafortunadamente la realidad brasileña es otra y el viejo hábito de pasar la pierna en el consumidor prevalece. Mientras que esto no se cambia la tendencia es vender hoy y romper mañana cuando el consumidor se despierta. Los tiempos del camello ya pasaron y hoy el empresario moderno tiene que adaptarse a las tendencias del Tercer Milenio o quedará atrás teniendo que gritar a la puerta de las tiendas o hacer campañas de marketing agresivo que al final resultará en dinero por el desagüe. Y si usted va a preguntar si soy publicitario, empresario del comercio o economista, digo que no, soy sólo un ex profesional de ventas que se convirtió en escritor y blogger, mucho placer.

Esta obra, así como todos los textos contenidos en esta página web, se encuentran protegidos por las Leyes Nacionales e Internacionales de Derechos de Propiedad Intelectual, siendo prohibidas las copias, collages, reproducción, divulgación o uso de los contenidos presentados en este blog, independiente de los medios o finalidades sin la autorización expresa del autor Tony Casanova, a quien corresponde, única y exclusivamente los Derechos sobre el material presentado. La violación de estos Derechos se constituye crimen previsto en la Legislación y será sancionada con los rigores legales.

Para saber más sobre Tony Casanova y la adquisición de sus publicaciones, visite ESTE LINK

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.

Estamos no Twitter

publicidade