Breaking

Saudade como ela é.

Nada mais há para quem ama/ Senão a saudade que se ofereça/ A ausência que se reclama/ E a dor que lhe estremeça. Quando a presença é forte/ Mais forte torna a saudade/ Até se parece a morte/ Que aos poucos lhe invade. A saudade é doença sem cura/ Dor que por sí se alimenta/ Saudade é a viva loucura/ De quem ama e não se aguenta. Não há nada que se faça/ Quando a saudade chega/ A vista se embaraça/ E a cabeça fica leiga. A saudade é a porca do peito/ Que aperta e faz doer/ Uma dor que não tem jeito/ O jeito mesmo é sofrer. Tony Casanova

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

Crônica | Como Assim Brasil?

  Viver no Brasil é fácil,  o País é lindo, povo alegre apesar dos motivos para tristeza, muitas praias, sol, enfim é o lugar, mas difí...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.