Breaking

Leitura | Respeito e Ética. | O Perigo das Entrelinhas.

  Quando o assunto é leitura existe uma ação que desde que comecei a escrever não vejo com bons olhos. Não que ela não seja necessária, a sua necessidade é óbvia, mas o fato de muitas pessoas desenvolverem o "achismo" em torno do que outros escrevem é algo tão perigoso quanto conduzir um veículo sem saber dirigir.  Trata-se das interpretações livres, onde aquele que lê tenta "adivinhar" o que o escritor quis dizer. Evidentemente muitos até se aproximam do que concerne a mensagem, mas o achismo leva os afoitos a simplesmente cometerem erros tão grotescos que fariam revirar no túmulo qualquer escritor. Eu particularmente não consigo saber ao certo de onde partiu a ideia de que as tais entrelinhas existem. Parece coisa tipo mensagem subliminar, onde quem interpreta afirma o que acha sem que o autor possa confirmar aquilo.
  Para quem costuma ter o "dom" da interpretação é preciso muito cuidado com o achismo e não acabar construindo novas verdades, que de fato serão mentiras. É sempre sensato opinar e afirmar que aquela é a sua opinião, afinal somente quem escreveu sabe exatamente aquilo que quis dizer e obviamente não constituiu porta-vozes por falta de necessidade. O fato é que quem escreveu quis dizer exatamente o que colocou na mensagem, o que passar disso é por conta do acréscimo dos "intérpretes". Sempre que alguém me fala em leitura de entrelinhas me dá coceira e dispara aquele alarme de perigo. Eu acho a leitura de entrelinhas, o achismo e a interpretação livre de uma ousadia, uma pretensão sem limites.
  Muitos talvez pratiquem estas modalidades pelo fato da dificuldade de construírem ideias próprias, ter suas próprias articulações e então necessitam encontrar algo pronto para desenvolverem um ideia em cima e se tornarem os donos da verdade. Deste jeito fica fácil. Seria como engravidar a esposa alheia. Isto me lembra casos em que absurdamente pessoas se deram ao direito de afirmar sobre a escrita de outros e cometeram leviandades indescritíveis e de consequências danosas ao escritor. Uma forma irresponsável de pronunciar-se e apropriar-se de uma verdade que não lhes cabiam.
  Este fato é algo parecido com o que acontece com tradutores intérpretes. Quando eles são éticos e responsáveis traduzem corretamente tudo que ouviram, quando não se dão ao luxo de fazerem adaptações ao que foi dito criando um novo contexto que poderá prejudicar o entendimento do que foi dito. Em contrapartida, como disse lá em cima, interpretar é algo importante, desde que a ação seja livre do achismo, da implantação de verdades próprias que poderão distorcer o que foi originalmente colocado pelo escritor. Há um ditado muito popular que diz: "Quem conta um conto aumenta um ponto."  Me faz lembrar de uma brincadeira escolar da minha infância onde a professora organizava os alunos em um círculo e pedia para um deles contar algo ao que estava do lado e este deveria repetir ao próximo até que finalmente o círculo fechasse quando o que foi dito fosse contado ao aluno que iniciou tudo. Nunca se repetia a mesma coisa. Aliás em algumas vezes havia uma distorção tão grande que criava-se uma nova estória.
  Assim ocorre com as tais entrelinhas interpretadas por peritos no dom da interpretação. Os criadores de re-estórias. Por esta razão nunca fui simpático á prática desta modalidade. Defendo a prática, desde que feita com pessoa experimentada e bastante ética, que possua um objetivo e saiba como utilizar esta ferramenta tão importante. O que me assusta são os irresponsáveis que movidos por extrema necessidade de atenção, costumam se valer de algo tão sério para expressar verdades pessoais. Lamentável e deprimente e uma prática comum em nossos dias.

Texto do Escritor e Autor Tony Casanova. Todos os Direitos Reservados e garantidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele, independente dos meios ou fins. A violação destes Direitos constitui-se crime e está passiva das punições legais cabíveis. 
Saiba mais do autor NESTE LINK
.............................................................................................................

   Reading | Respect and Ethics. | The Danger of Interlines.

  When the subject is reading there is an action that since I started to write I do not see with good eyes. Not that it is not necessary, its necessity is obvious, but the fact that many people develop "achismo" around what others write is something as dangerous as driving a vehicle without knowing how to drive. These are free interpretations, where the one who reads tries to "guess" what the writer meant. Of course, many people even come close to what the message is about, but it takes folly to simply make mistakes so grotesque that it would turn any writer to the grave. I particularly can not know for sure where the idea came from that such lines exist. It seems like a subliminal message, where the interpreter affirms what he thinks without the author being able to confirm it.
  For those who usually have the "gift" of interpretation, great care must be taken with achism and not end up constructing new truths, which in fact will be lies. It is always sensible to say and say that this is your opinion, after all only those who wrote know exactly what he meant and obviously did not constitute spokesmen for lack of need. The fact is that who wrote wanted to say exactly what he put in the message, what happens is because of the addition of "interpreters." Whenever someone talks to me in reading between the lines it gives me an itch and triggers that alarm of danger. I find the reading between the lines, the achismo and the free interpretation of a daring, a pretension without limits.
  Many may practice these modalities because of the difficulty of building their own ideas, having their own articulations, and then needing to find something ready to develop an idea up front and become the masters of truth. This way it's easy. It would be like impregnating the wife of others. This reminds me of cases in which absurdly people have given themselves the right to assert themselves over the writing of others and have committed indescribable frivolities and harmful consequences to the writer. An irresponsible way of pronouncing and appropriating a truth that did not fit them.
  This fact is somewhat like what happens with interpreting translators. When they are ethical and responsible, they correctly translate everything they have heard, when they do not afford to make adjustments to what has been said by creating a new context that could undermine the understanding of what has been said. On the other hand, as I said above, interpreting is important, as long as the action is free from the acumen, from the implantation of own truths that could distort what was originally put by the writer. There is a very popular saying that says, "Whoever tells a tale adds a point." It reminds me of a school play from my childhood where the teacher organized the students in a circle and asked one of them to tell something to the one on the side and he should repeat to the next until finally the circle closed when what was said was told To the student who started it all. The same thing was never repeated. In fact, sometimes there was a distortion so great that a new story was created.
  So it is with such interlining interpreted by experts in the gift of interpretation. The creators of re-stories. For this reason I have never been sympathetic to the practice of this modality. I defend the practice, provided that it is done with an experienced and quite ethical person, who has a goal and knows how to use this very important tool. What frighten me are the irresponsible ones who, driven by extreme need of attention, usually use something so serious to express personal truths. Lamentable and depressing and a common practice in our day.

Writer Text and Author Tony Casanova. All Rights Reserved and guaranteed by the National and International Laws for the Protection of Intellectual Property Rights. No part of it may be copied, collated, reproduced or disseminated, regardless of its means or purpose. The violation of these Rights constitutes a crime and is passive of the applicable legal punishments.
Learn more about the author IN THIS LINK
.................................................. .................................................

   Lectura | Respeto y Ética. | El Peligro de las Entrelíneas.

  Cuando el asunto es lectura existe una acción que desde que empecé a escribir no veo con buenos ojos. No es que no sea necesaria, su necesidad es obvia, pero el hecho de que muchas personas desarrollen el "achismo" en torno a lo que otros escriben es algo tan peligroso como conducir un vehículo sin saber conducir. Se trata de las interpretaciones libres, donde el que lee intenta "adivinar" lo que el escritor quiso decir. Evidentemente muchos hasta se acercan a lo que concierne al mensaje, pero el achismo lleva a los afligidos a simplemente cometer errores tan grotescos que harían revirar en la tumba a cualquier escritor. En particular, no puedo saber con certeza de dónde partió la idea de que existen entre líneas. Parece algo tipo mensaje subliminal, donde quien interpreta afirma lo que cree sin que el autor pueda confirmar aquello.
  Para quien suele tener el "don" de la interpretación es preciso mucho cuidado con el achismo y no acabar construyendo nuevas verdades, que de hecho serán mentiras. Es siempre sensato opinar y afirmar que esa es su opinión, al final sólo quien escribió sabe exactamente lo que quiso decir y obviamente no constituyó portavoces por falta de necesidad. El hecho es que quien escribió quiso decir exactamente lo que colocó en el mensaje, lo que pasar de eso es por el aumento de los "intérpretes". Siempre que alguien me habla en lectura de entrelíneas me da picazón y dispara esa alarma de peligro. Creo la lectura de entrelíneas, el achismo y la interpretación libre de una osadía, una pretensión sin límites.
  Muchos tal vez practiquen estas modalidades por el hecho de la dificultad de construir ideas propias, tener sus propias articulaciones y entonces necesitan encontrar algo listo para desarrollar una idea arriba y convertirse en los dueños de la verdad. De esta manera resulta fácil. Sería como quedar embarazada a la esposa ajena. Esto me recuerda casos en que absurdamente personas se dieron al derecho de afirmar sobre la escritura de otros y cometieron ligerezas indescriptibles y de consecuencias dañinas al escritor. Una forma irresponsable de pronunciarse y apropiarse de una verdad que no les correspondía.
  Este hecho es algo parecido a lo que sucede con los traductores intérpretes. Cuando son éticos y responsables traducen correctamente todo lo que oyeron, cuando no se dan el lujo de hacer adaptaciones a lo que se ha dicho creando un nuevo contexto que podría perjudicar el entendimiento de lo que se ha dicho. En contrapartida, como dije arriba, interpretar es algo importante, siempre que la acción sea libre del achismo, de la implantación de verdades propias que pueden distorsionar lo que fue originalmente colocado por el escritor. Hay un dicho muy popular que dice: "El que cuenta un cuento aumenta un punto." Me recuerda una broma escolar de mi infancia donde la profesora organizaba a los alumnos en un círculo y pedía a uno de ellos contar algo al que estaba del lado y éste debía repetir al prójimo hasta que finalmente el círculo se cerrara cuando lo que se dijo fue contado Al alumno que inició todo. Nunca se repetía la misma cosa. En algunas ocasiones había una distorsión tan grande que se creaba una nueva historia.
  Así ocurre con las tales entrelíneas interpretadas por expertos en el don de la interpretación. Los creadores de reencarnaciones. Por esta razón nunca fui simpático a la práctica de esta modalidad. Defiendo la práctica, siempre que sea hecha con una persona experimentada y bastante ética, que tenga un objetivo y sepa cómo utilizar esta herramienta tan importante. Lo que me asusta son los irresponsables que movidos por extrema necesidad de atención, suelen valerse de algo tan serio para expresar verdades personales. Lamentable y deprimente y una práctica común en nuestros días.

Texto del Escritor y Autor Tony Casanova. Todos los Derechos Reservados y garantizados por las Leyes Nacionales e Internacionales de Protección a los Derechos de Propiedad Intelectual. Prohibida la copia, collage, reproducción o divulgación de cualquier naturaleza, del todo o parte de él, independientemente de los medios o fines. La violación de estos derechos se constituye en delito y está pasiva de las sanciones legales.
Más información del autor EN ESTE LINK

  

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

Relacionamentos | As Relações e as Redes Sociais.

   A relação poder ser um namoro, um noivado ou mesmo o casamento, mas a base que constitui qualquer relacionamento é a mesma. Relações ...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.