Breaking

Relacionamentos | Sobre o Amor e as Relações a Dois.

   Minha matéria de hoje abordará os fatores abrasivos nos relacionamentos homem-mulher e seus entraves mais comuns que tem levado muitos a desacreditarem do amor.  A priori para entendermos bem todas as questões que envolvem o amor, precisamos entendê-lo como sentimento universal e não pessoal. Ele não é nossa propriedade, assim como não são as pessoas com quem nos relacionamos. Em sua forma correta e ampla, o amor nos liberta, não nos aprisiona, portanto se temos alguém ligado a nós emocionalmente, esta ligação não é feita de forma leviana, mas compromissada. Vale saber que os compromissos dependem dos seus cumprimentos e não apenas das promessas, assim o amor é muito mais que as nossas declarações e promessas. As juras acaloradas não possuem valor algum se não estiverem respaldadas nas nossas atitudes.
   Não se trata de simplesmente gostar, sentir mera atração física ou admirar a beleza das formas, mas amar vai muito além disso.  O amor se aquece nas virtudes encontradas no outro, na confirmação do seu caráter, da sua moral, da sua ombridade para conosco. A máxima para esta questão é que amor multiplica amor, sempre se reproduzindo na mesma escala que é oferecido. Apesar de ser um sentimento que proporciona a sensação de liberdade, o amor possui regras próprias e não deve ser praticado de forma livre e leviana sob pena de trazer consequências desastrosas. Mesmo que não possa ser visto, o amor existe e está presente entre nós provocando um turbilhão de emoções diferentes e se não for levado á sério trará muito sofrimento aos desavisados.
  Para muitos amar é uma questão apenas de receber, quando na verdade não é esta equação que rege o sentimento. O amor é reciprocidade positiva onde impera a retribuição, a generosidade, a fidelidade, o compromisso, o respeito, a compreensão, o entendimento. A prática destes parâmetros associados conduz á sua perfeita equação. É possível obtermos perdão se não perdoamos? Claro que não! Da mesma forma que se não formos recíprocos em qualquer outro sentimento positivo não iremos encontrar felicidade. É preciso nos doarmos de forma plena e satisfatória ao outro, darmos a ele bem mais do que esperamos receber, assim teremos retorno sem precisarmos esperar, pois no amor não se precisa exigir nada porque ele é justo.
  Relacionamentos são conflitantes, claro que sim, afinal unem-se pessoas que apesar de estarem emocionalmente ligadas ás outras, possuem seus desejos, gostos pessoais e relações sem limites não existem, por mais que sejamos tendentes a desejá-las. Sempre haverão limitações, conflitos, barreiras e bloqueios a serem vencidos e quando não, respeitados. Erramos e erramos feio ao buscarmos apenas o nosso bem estar em um relacionamento, pois desta forma pensamos apenas em nós e não no outro e isto se constitui a quebra da regra principal do amor. Um outro erro é associar a infidelidade apenas ás relações mais íntimas, mas ela existe em todas as esferas que envolvem a relação. A confiança é um dever mútuo que deve estar associada á dignidade adquirida, sendo esta não por direito, mas por herança individual.
  A confiança não é uma obrigação semelhante á fidelidade, mas uma conquista mediante as ações exercidas por cada envolvido, independentemente das atitudes passadas, a confiança é um sentimento que deve ser resgatada a todo momento através da ação que dignifica o indivíduo. Ela é parte fundamental de qualquer relacionamento e aquele que deseja realmente tomar parte da dinâmica do amor precisa tornar-se digno da confiança do outro. Respeito acima de tudo, fidelidade sempre e renovação de compromisso a todo momento. No mais é ser feliz sem medo, retribuindo  a todo instante todas as coisas boas e positivas que receber. 

   Texto do Escritor e Autor Tony Casanova. Todos os Direitos Reservados e garantidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele, independente dos meios ou fins. A violação destes Direitos constitui-se crime e está passiva das punições legais cabíveis. 

Saiba mais do autor NESTE LINK
............................................................................................................................................... 

       Relationships | About Love and Relationships to Two.

     My story today will address the abrasive factors in male-female relationships and their most common barriers that have led many to disbelieve in love. A priori to understand well all the questions that involve love, we need to understand it as a universal and not a personal feeling. It is not our property, just as it is not the people with whom we relate. In its correct and broad form, love liberates us, does not imprison us, so if we have someone emotionally attached to us, this connection is not made in a light but committed way. It is worth knowing that the commitments depend on your compliments and not just the promises, so love is much more than our declarations and promises. Hot juras have no value unless they are supported by our attitudes.
   It is not simply liking, feeling mere physical attraction, or admiring the beauty of forms, but love goes far beyond that. Love warms itself in the virtues found in the other, in the confirmation of its character, its morality, its ombride towards us. The maxim for this question is that love multiplies love, always reproducing itself on the same scale as it is offered. Although it is a feeling that gives the feeling of freedom, love has its own rules and should not be practiced in a free and light way, at the cost of having disastrous consequences. Even if it can not be seen, love exists and is present among us causing a whirlwind of different emotions and if not taken seriously will bring much suffering to the unsuspecting.
  For many to love is a matter of just receiving, when in fact it is not this equation that rules the feeling. Love is a positive reciprocity where retribution, generosity, fidelity, commitment, respect, understanding, understanding prevail. The practice of these associated parameters leads to its perfect equation. Is it possible to obtain forgiveness if we do not forgive? Of course not! Just as if we are not reciprocal in any other positive feeling we will not find happiness. We must give ourselves fully and satisfactorily to the other, give it more than we expect to receive, so we will have a return without having to wait, because in love one does not have to demand anything because he is just.
  Relationships are conflicting, of course yes, after all join people who, although they are emotionally attached to others, have their desires, personal tastes and relationships without limits do not exist, however much we are inclined to desire them. There will always be limitations, conflicts, barriers and blockages to be overcome and when not respected. We err and err ugly as we seek only our well being in a relationship, for in this way we think only of ourselves and not of the other, and this constitutes the breaking of the principal rule of love. Another mistake is to associate infidelity only with the most intimate relationships, but it exists in all spheres involving the relationship. Trust is a mutual duty that must be associated with acquired dignity, which is not by right, but by individual inheritance.
  Trust is not an obligation similar to fidelity, but an achievement through the actions of each involved, regardless of past attitudes, trust is a feeling that must be rescued at all times through the action that dignifies the individual. It is a fundamental part of any relationship and one who really wants to take part in the dynamics of love needs to become worthy of the trust of the other. Respect above everything, fidelity always and renewal of commitment at all times. It is no longer being happy without fear, repaying at all times all the good and positive things that you receive.

   Writer Text and Author Tony Casanova. All Rights Reserved and guaranteed by the National and International Laws for the Protection of Intellectual Property Rights. No part of it may be copied, collated, reproduced or disseminated, regardless of its means or purpose. The violation of these Rights constitutes a crime and is passive of the applicable legal punishments.

Learn more about the author IN THIS LINK
.................................................................................................... ..........................................

       Relaciones | Sobre el amor y las relaciones a dos.

     Mi materia de hoy abordará los factores abrasivos en las relaciones hombre-mujer y sus obstáculos más comunes que ha llevado a muchos a desacreditar del amor. A priori para entender bien todas las cuestiones que envuelven el amor, necesitamos entenderlo como sentimiento universal y no personal. No es nuestra propiedad, así como no son las personas con las que nos relacionamos. En su forma correcta y amplia, el amor nos libera, no nos aprisiona, así que si tenemos a alguien ligado a nosotros emocionalmente, esta conexión no se hace de forma ligera, sino comprometida. Es sabido que los compromisos dependen de sus saludos y no sólo de las promesas, así el amor es mucho más que nuestras declaraciones y promesas. Las juras acaloradas no tienen valor alguno si no están respaldadas en nuestras actitudes.
   No se trata simplemente de querer, sentir mera atracción física o admirar la belleza de las formas, pero amar va mucho más allá. El amor se calienta en las virtudes encontradas en el otro, en la confirmación de su carácter, de su moral, de su ombridad hacia nosotros. La máxima para esta cuestión es que el amor multiplica amor, siempre reproduciendo en la misma escala que se ofrece. A pesar de ser un sentimiento que proporciona la sensación de libertad, el amor posee reglas propias y no debe ser practicado de forma libre y liviana so pena de traer consecuencias desastrosas. Aunque no pueda ser visto, el amor existe y está presente entre nosotros provocando un torbellino de emociones diferentes y si no se toma en serio traerá mucho sufrimiento a los desavisados.
  Para muchos amar es una cuestión de recibir, cuando en realidad no es esta ecuación que rige el sentimiento. El amor es reciprocidad positiva donde impera la retribución, la generosidad, la fidelidad, el compromiso, el respeto, la comprensión, el entendimiento. La práctica de estos parámetros asociados conduce a su perfecta ecuación. ¿Es posible obtener perdón si no perdonamos? ¡Claro que no! De la misma forma que si no somos recíprocos en cualquier otro sentimiento positivo no encontraremos felicidad. Es necesario donarnos de forma plena y satisfactoria al otro, dar a él mucho más de lo que esperamos recibir, así tendremos retorno sin necesidad de esperar, pues en el amor no se necesita exigir nada porque es justo.
  Las relaciones son conflictivas, claro que sí, al final se unen personas que a pesar de estar emocionalmente ligadas a las otras, poseen sus deseos, gustos personales y relaciones sin límites no existen, por más que seamos tendientes a desearlas. Siempre habrá limitaciones, conflictos, barreras y bloqueos a ser vencidos y cuando no, respetados. En el caso de que se trate de una persona que no sea de su familia, no es la primera vez que se hace el amor. Otro error es asociar la infidelidad sólo a las relaciones más íntimas, pero existe en todas las esferas que involucran la relación. La confianza es un deber mutuo que debe estar asociado a la dignidad adquirida, siendo ésta no por derecho, sino por herencia individual.
  La confianza no es una obligación semejante a la fidelidad, sino una conquista mediante las acciones ejercidas por cada involucrado, independientemente de las actitudes pasadas, la confianza es un sentimiento que debe ser rescatado en todo momento a través de la acción que dignifica al individuo. Ella es parte fundamental de cualquier relación y el que desea realmente tomar parte de la dinámica del amor necesita hacerse digno de la confianza del otro. Respeto por encima de todo, fidelidad siempre y renovación de compromiso en todo momento. En el más es ser feliz sin miedo, retribuyendo en todo instante todas las cosas buenas y positivas que recibir.

   Texto del Escritor y Autor Tony Casanova. Todos los Derechos Reservados y garantizados por las Leyes Nacionales e Internacionales de Protección a los Derechos de Propiedad Intelectual. Prohibida la copia, collage, reproducción o divulgación de cualquier naturaleza, del todo o parte de él, independientemente de los medios o fines. La violación de estos derechos se constituye en delito y está pasiva de las sanciones legales apropiadas.

Más información del autor EN ESTE LINK

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

Relacionamentos | As Relações e as Redes Sociais.

   A relação poder ser um namoro, um noivado ou mesmo o casamento, mas a base que constitui qualquer relacionamento é a mesma. Relações ...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.