Reflexão | O Bem e o Mal | Faces do Mesmo Homem.

  O que nos torna realmente bons ou maus? Dada ás nossas inclinações humanas podemos nos considerar bons e por quanto tempos seremos bons?  São perguntas que muitas vezes nos fazemos e para as quais não encontramos as respostas, talvez por não nos considerarmos aptos a respondê-las ou nos sentirmos suspeitos para responder a nós mesmos estas questões. O fato é que humanamente somos predispostos ao mal por conta dos nossos desejos, muitas vezes incontroláveis de conquistar, de ser melhor, de ter poder. Mas isto não quer dizer que não possamos lutar contra estas vontades e vencê-las. Entre todas as capacidades que possuímos está a de utilizarmos o pronome sempre na primeira pessoa do verbo e quando conseguimos mudar isso vemos que tudo começa a fluir de maneira benéfica para nós. Leia mais sobre este assunto...
  Dentro do mesmo ser humano há duas faces ocultas. Aquela que representa o bem e a outra que representa o mal. Vez por outra estamos sendo tomados por uma ou outra, em uma espécie de equilíbrio complexo. O desequilíbrio ocorre quando a face má nos domina e ocupa todo o espaço.  Nossos erros oferecem inúmeras lições de como não devemos nos portar, quais decisões devemos tomar e o que fazer em determinadas situações, mas é preciso que tenhamos consciência de quando estamos errados e mais que isso, que nos arrependamos do que fizemos e busquemos não repetir o erro. Não há um único ser humano que jamais tenha errado na vida ou que nunca cometerá erros e saber disto nos coloca em estado de alerta sobre tudo que faremos.

  Surpreendentemente somos capazes de fazer coisas extremamente maravilhosas por outro ser humano. Podemos abrir mão de direitos, arriscarmos a vida, oferecermos como partilha aquilo que temos, mas infelizmente esta não é uma regra humana.  Nós temos o mau hábito de colocarmos condicionais nas nossas ações como na caridade, no amor, na atenção, na generosidade.  Estamos sempre buscando algo em troca, o que anula por completo o mérito da benevolência. Ser uma boa pessoa, agir sob a face do bem é mais do que a presença do gesto, mas requer a presença do amor.  Contudo o amor anula as condicionais, pois com ele ou em nome dele não se faz negócio. Não se dá, se doa. Não se sacrifica, mas se entrega sem a espera de qualquer coisa em troca.

  Não se trata apenas de mostrar que é bom, generoso ou benigno, mas de exercer de fato o verdadeiro amor.  Não é algo compreensível para a lógica humana que enxerga as coisas nos campos da matéria, mas vai muito além disso.  Se somos bons em algumas ocasiões isto é louvável, mas não o bastante. Precisamos lutar internamente para permitir que a bondade esteja presente todo tempo em nós. Bondade esta que se refletirá na humildade, na compreensão, na justiça, na generosidade, no perdão, na dedicação enfim. Sempre buscando tudo isto sem impor condicionais, desta forma estaremos plantando e em breve colheremos os frutos daquilo que semeamos.

  Se você gostou do texto compartilhe-o, deixe seu comentário e aproveite para seguir este blog. Muito grato por tua visita e seja bem vindo(a) sempre. Forte abraço e até a próxima.

A presente obra, bem como todos os textos contidos nesta web página encontram-se protegidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Direitos de Propriedade Intelectual, sendo proibidas as cópias, colagens, reprodução, divulgação ou uso dos conteúdos apresentados neste blog, independente dos meios ou finalidades, sem a autorização expressa do autor Tony Casanova, a quem cabe, única e exclusivamente os Direitos sobre o material apresentado. A violação destes Direitos se constitui crime previsto na Legislação e será punida com os rigores legais.

Para saber mais sobre Tony Casanova e aquisição de suas publicações, acesse ESTE LINK
................................................................................................................................................... 

Reflection | Good and Evil | Faces of the Same Man.

What makes us really good or bad? Given our human inclinations can we consider ourselves good and for how long will we be good? They are questions we often ask ourselves and for which we do not find the answers, perhaps because we do not consider ourselves fit to answer them or feel suspicious to answer these questions ourselves. The fact is that humanly we are predisposed to evil because of our often uncontrollable desires to conquer, to be better, to have power. But this does not mean that we can not fight against these wills and overcome them. Among all the capacities we have is that we use the pronoun always in the first person of the verb and when we can change it we see that everything starts flowing in a way beneficial to us. Read more about this subject ...
Within the same human being there are two hidden faces. The one that represents the good and the other that represents evil. Sometimes we are being taken by one or the other in a kind of complex equilibrium. The imbalance occurs when the bad face dominates and occupies the whole space. Our mistakes offer countless lessons in how we should not behave, what decisions we should take and what to do in certain situations, but we must be aware of when we are wrong and more than that, that we repent of what we have done and try not to repeat the error. There is not a single human being who has ever erred in life or who will never make mistakes and knowing this puts us in a state of alert about everything we will do.

Surprisingly we are able to do extremely wonderful things for another human being. We can give up rights, risk life, offer as a share what we have, but unfortunately this is not a human rule. We have the bad habit of putting conditionals in our actions as in charity, love, attention, generosity. We are always seeking something in return, which completely negates the merit of benevolence. Being a good person, acting under the face of good is more than the presence of the gesture, but requires the presence of love. However, love cancels the conditionals, because with it or in his name does not do business. You do not give, you give. He does not sacrifice himself, but surrenders without waiting for anything in return.

It is not only a matter of showing that it is good, generous or benign, but actually exercising true love. It is not something understandable to human logic that sees things in the fields of matter, but goes much further. If we are good on some occasions this is commendable, but not enough. We need to fight internally to allow goodness to be present at all times in us. This kindness will be reflected in humility, understanding, justice, generosity, forgiveness, dedication. Always seeking all this without imposing conditionals, this way we will be planting and soon we will reap the fruits of what we sow.

If you like the text share it, leave your comment and enjoy to follow this blog. Very grateful for your visit and always welcome. Strong hug and see you next time.

The present work, as well as all the texts contained in this web page, are protected by the National and International Laws of Intellectual Property Rights, being prohibited copies, collages, reproduction, dissemination or use of the contents presented in this blog, regardless of media or without the express authorization of the author Tony Casanova, who is solely and exclusively responsible for the material presented. The violation of these Rights constitutes a crime provided for in the Legislation and will be punished with the legal rigors.

To know more about Tony Casanova and the acquisition of his publications, visit THIS LINK
...................................................................................................................................................

Reflexión | El Bien y el Mal | Faces del mismo hombre.

¿Qué nos hace realmente buenos o malos? Dada a nuestras inclinaciones humanas podemos considerarnos buenos y por cuánto tiempo seremos buenos? Son preguntas que muchas veces nos hacemos y para las cuales no encontramos las respuestas, tal vez por no considerarnos capaces de responderlas o sentirnos sospechosos para responder a nosotros mismos estas cuestiones. El hecho es que humanamente estamos predispuestos al mal por nuestros deseos, muchas veces incontrolables de conquistar, de ser mejor, de tener poder. Pero esto no quiere decir que no podamos luchar contra estas voluntades y vencerlas. Entre todas las capacidades que poseemos está la de utilizar el pronombre siempre en la primera persona del verbo y cuando logramos cambiar eso vemos que todo comienza a fluir de manera benéfica para nosotros. Leer más sobre este tema ...

Dentro del mismo ser humano hay dos caras ocultas. Aquella que representa el bien y la otra que representa el mal. Vez por otra estamos siendo tomados por una u otra, en una especie de equilibrio complejo. El desequilibrio ocurre cuando la cara mala nos domina y ocupa todo el espacio. Nuestros errores ofrecen innumerables lecciones de cómo no debemos portarse, qué decisiones debemos tomar y qué hacer en determinadas situaciones, pero es preciso que tengamos conciencia de cuando estamos equivocados y más que eso, que nos arrepentimos de lo que hemos hecho y busquemos no repetir el proceso. de error. No hay un solo ser humano que jamás haya errado en la vida o que nunca cometer errores y saber de ello nos pone en estado de alerta sobre todo lo que haremos.

Sorprendentemente somos capaces de hacer cosas extremadamente maravillosas por otro ser humano. Podemos renunciar a los derechos, arriesgar la vida, ofrecer como compartir lo que tenemos, pero desafortunadamente esta no es una regla humana. Nosotros tenemos el mal hábito de colocar condicional en nuestras acciones como en la caridad, el amor, la atención, la generosidad. Estamos siempre buscando algo a cambio, lo que anula por completo el mérito de la benevolencia. Ser una buena persona, actuar bajo la cara del bien es más que la presencia del gesto, pero requiere la presencia del amor. Pero el amor anula las condicional, pues con él o en nombre de él no se hace negocio. No se da, se dona. No se sacrifica, pero se entrega sin la espera de cualquier cosa a cambio.

No se trata sólo de mostrar que es bueno, generoso o benigno, sino de ejercer de hecho el verdadero amor. No es algo comprensible para la lógica humana que ve las cosas en los campos de la materia, pero va mucho más allá. Si somos buenos en algunas ocasiones esto es loable, pero no lo suficiente. Necesitamos luchar internamente para permitir que la bondad esté presente todo el tiempo en nosotros. Bondad esta que se reflejará en la humildad, en la comprensión, en la justicia, en la generosidad, en el perdón, en la dedicación en fin. Siempre buscando todo esto sin imponer condicional, de esta forma estaremos plantando y pronto cosechar los frutos de lo que sembramos.

Si te gustó el texto comparte, deja tu comentario y aprovecha para seguir este blog. Muy agradecido por tu visita y bienvenido siempre. Fuerte abrazo y hasta la próxima.

La presente obra, así como todos los textos contenidos en esta página web, se encuentran protegidos por las Leyes Nacionales e Internacionales de Derechos de Propiedad Intelectual, siendo prohibidas las copias, collages, reproducción, divulgación o uso de los contenidos presentados en este blog, independiente de los medios o sin la autorización expresa del autor Tony Casanova, a quien corresponde, única y exclusivamente los Derechos sobre el material presentado. La violación de estos Derechos se constituye crimen previsto en la Legislación y será sancionada con los rigores legales.

Para saber más sobre Tony Casanova y la adquisición de sus publicaciones, visite ESTE LINK

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.

Estamos no Twitter

publicidade